Vírus transmitido pela água causou diarreia em SP

Vírus transmitido pela água causou diarreia em SP

Escrito por O Globo
Sex, 05 de Março de 2010 00:00
PDF Imprimir E-mail

Vírus transmitido pela água causa diarréiaSÃO PAULO - O Instituto Adolfo Lutz de São Paulo divulgou o resultado das análises feitas em pessoas contaminadas e de alimentos servidos em restaurantes de Olímpia, a 453 quilômetros de São Paulo. Cerca de 270 pessoas foram infectadas pelo norovírus, que é transmitido pela água e principalmente por frutos do mar. A recomendação é que a população ferva a água antes de beber. Cerca de 400 pessoas foram atendidas na cidade com vômito e diarréia nos últimos dias. Os primeiros casos começaram a aparecer há cerca de duas semanas. No litoral de São Paulo, em pelo menos 9 cidades já foi registrado um aumento dos casos de viroses neste verão.

O caso mais preocupante é o do Guarujá, no litoral sul, onde mais de 1.700 pessoas já passaram por unidades de saúde com sintomas como diarréia, vômito e dores na barriga, desde dezembro. Mas o número pode ser maior. A prefeitura da cidade admite o aumento de casos, mas diz que ainda não é possível falar em surto. No Guarujá, a população sobe de 300 mil para um milhão durante as férias de verão. As unidades de saúde dos municípios de Santos, Praia Grande e São Vicente também atenderam pessoas com os mesmos sintomas verificados no Guarujá.

Em Mongaguá, também no litoral sul, mais de 300 pessoas procuraram hospitais e prontos-socorros com diarreia e vômitos fortes. Mas a rede de saúde do municípios atendeu pelo menos mil pessoas com os mesmos sintomas, mas com menor gravidade. Na temporada de verão, a população da cidade sobe de 40 mil para 300 mil pessoas.

Em São Paulo, alguns hospitais também começam a registrar aumento do número de casos de virose. A maior parte dos pacientes afirma ter voltado do litoral. Em um hospital na Zona Oeste de São Paulo, o número de casos de viroses aumentou 70% em comparação com o ano passado. Em outras unidades de saúde privada, o número triplicou. Apesar disso, não há um balanço enquanto não ficar caracterizado um surto. Na semana passada, um navio atracou no porto de Santos com 19 pessoas com suspeita de gastroenterite. Os sintomas são diarréia, vômito e mal-estar. A embarcação tinha viajado nos últimos dias por Búzios (RJ) e Ilhabela (SP).

Em Ubatuba, no litoral norte do estado, cerca de 300 casos de viroses foram desde o início do ano. O número é quase o total do registrado nos três primeiros meses do ano passado. Do primeiro dia do ano até o início da semana, Ubatuba registrou 295 internações por virose. No ano passado foram 320 nos três primeiros meses. Pelo menos 70% desses pacientes não tiveram diarreia continua, quadro comum na intoxicação alimentar. A Vigilância Epidemiológica suspeita de um outro perigo: um vírus que se espalha pelo ar. Casos semelhantes foram registrados nos municípios de São Sebastião, Caraguatatuba e Ilhabela, todos no litoral norte. - Isso caracteriza a possibilidade de ser rotavírus, mas ainda estamos analisando a situação - diz Neilton Nogueira, supervisor de saúde de Ubatuba.

A possibilidade de que a contaminação seja por via aérea, em Ubatuba, está sendo considerada porque pacientes que apresentaram os sintomas se alimentaram e beberam água em praias diferentes. Nas cidades onde os casos foram mais numerosos, os médicos colheram amostras de sangue dos pacientes que foram encaminhadas para o instituto Adolfo Lutz para análise. Os resultados devem ficar prontos na próxima semana.

A recomendação das autoridades de Saúde é que as pessoas evitem comer alimentos vendidos por ambulantes, transportem comida em recipientes adequados, não fiquem expostas ao sol sorte e tomem bastante água de origem conhecida. - Na praia, os alimentos ficam expostos a altas temperaturas. As pessoas também consomem muitos alimentos gordurosos. Essa combinação é perigosa. É melhor comer em casa do que na rua - diz a pediatra coordenadora do pronto-socorro do Hospital Santo Amaro, no Guarujá, Lea Arosa.

Outra medida simples pode evitar a virose, segundo os médicos. - Basta lavar as mãos, principalmente antes de se alimentar, e lavar frutas e verduras cruas. Evitar comer alimentos de origem duvidosa, de ambulantes também - afirma o médico Antonio Carlos de Moura.

Segundo o médico, o ideal é que seja consumida água mineral engarrafada. Apesar do aumento do número de casos da virose, o médico afirma que não há motivo para alarde. - Náusea, vômito, diarréia e mal-estar são sintomas que somem em dois ou três dias. Se persistirem mesmo com hidratação constante e alimentação leve, ou se apresentar vômito e fezes com sangue, o ideal é procurar um médico - afirmou Moura.

A Sabesp negou que exista problema com a qualidada da água fornecida para a população do Guarujá. A empresa diz realizar mais de 1.800 análises bacteriológicas por mês na região da Baixada Santista. Outro ponto que pode ter provocado a grande quantidade de casos de virose é a qualidade das águas das praias. Como choveu muito, as águas do mar podem ficar impróprias para o banho em alguns locais. As pessoas podem engolir um pouco de água quando mergulham no mar. É recomendável ficar atento às bandeiras da Cetesb que indicam a qualidade da água. No último levantamento feito pela Cetesb, pouco mais de 30% das praias do litoral de São Paulo estão impróprias para o banho.

diHITT - Notícias
RNSXB9UT28GC